domingo, 13 de fevereiro de 2011

Aqui alguns versos da obra de Mário Sá-Carneiro.
No livro dizia que a angustia existencial é o tema constante e obsessivo de suas obras (1890-1916). mergulhou profundamente dentro de si mesmo, que acabou por levá-lo ao suicídio.

Eu gostei destes versos que escolhi, pois a obra é bem maior... mas minha angústia existencial , se é que existe, não me leva a tanto. Apenas sou uma amante das poesias.

Dispersão

"Perdi-me dentro de mim
Porque eu era labirinto,
E hoje, quando me sinto,
É com saudades de mim.
___

Passei pela minha vida
Um astro doido a sonhar.
Na ânsia de ultrapassar,
Nem dei pela minha vida...
__

Para mim é sempre ontem,
Não tenho amanhã nem hoje:
O tempo que aos outros foge
Cai sobre mim feito ontem.
__

Regresso dentro de mim
Mas nada me fala, nada!
Tenho a alma amortalhada,
Sequinha, dentro de mim.
___

Não perdi a minha alma,
Fiquei com ela, perdida.
Assim eu choro, da vida,
A morte da minha alma.
____

(As minhas grandes saudades
São do que nunca enlacei.
Ai, como eu tenho saudades
Dos sonhos que não sonhei!...) "

0 comentários:

 
;