domingo, 2 de novembro de 2008

POEIRA DA SAUDADE (Poesia da bruxa - "Numa casa muito estranha" )


"Numa casa muito estranha
toda feita de chocolate
vivia uma bruxa castanha
que adorava o disparate.
Punha os copos no fogão
as panelas na banheira
os sapatos nas gavetas
as meias na frigideira;
escrevia com fios de água
dormia sempre de pé
cozinhava numa cama
e comia no bidé.
Varria a casa com garfos
limpava o pó com farinha
deitava cem gatos na sala
e dormia na cozinha."
António Mota
E

0 comentários:

 
;