sábado, 30 de agosto de 2008

POEIRA DA SAUDADE ( Modinha - Cecília Meireles)


Tuas palavras antigas
deixei-as todas, deixei-as,
junto com as minhas cantigas,
desenhadas nas areias.

Tantos sóis e tantas luas
brilharam sobre essas linhas,
das cantigas -que eram tuas-
das palavras -que eram minhas!

O mar, de língua sonora,
sabe o presente e o passado.
Canta o que é meu, vai-se embora:
que o resto é pouco e apagado.

0 comentários:

 
;