sábado, 26 de julho de 2008

DOCES LEMBRANÇAS ( cantigas das vovós)

Vejam o que é a imaginação das crianças!
Esta cantiga do Sapo Cururu ouvi muito quando criança, minha avó cantava e minha mãe também. E mais tarde eu mesma cantei para meus filhos e sobrinhos.
Mas naquela época não conhecia a segunda quadrinha, então eu pensava que a mulher do sapo estava lá dentro fazendo rendas para o casamento da “maninha”, e me perguntava quem seria a maninha (eu tenho três manas), e quando minhas irmãs cantavam pra mim eu pensava que poderia ser para o meu casamento,...mas nunca imaginei casar com o sapo(ainda bem que eu não conhecia a segunda quadrinha, teria ficado traumatizada)
Então, os sentimentos era uma mistura de pena do sapo que estava com frio, e encantamento porque havia uma sapa tão dedicada preparando (quem sabe) o meu enxoval de casamento.
Mais atualmente, encontrei outras variações desta cantiga composta de 6 quadrinhas, mas as principais são as duas que destaco aqui em vermelho.



SAPO CURURU

Sapo Cururu
Na beira do rio
Sapo quando grita, maninha,
Diz que está com frio
Sapo Cururu
Na beira do mar
Sapo quando grita, maninha
Diz que quer casar.

A mulher do sapo
Diz que está lá dentro
Fazenda rendinha, maninha
Para o seu casamento
________________________________________________

Marcha de carnaval... Devia ser a preferida de minha avó, pois vivia cantando.
Eu achava linda!Adorava ouvi-lá!
E a imaginação fértil de criança sempre atuando. Eu era a jardineira, sentia pena por ela estar triste, mas ficava vaidosa em saber que era mais bonita que a camélia.

A JARDINEIRA

(Benedito Lacerda e Humberto Porto)


Ó jardineira, porque estás tão triste?
Mas o que foi que te aconteceu?
Foi a camélia que caiu do galho,
deu dois suspiros
e depois morreu.

Vem, jardineira,
vem meu amor...
Não fiques triste
que este mundo
é todo teu.

Tu és muito
mais bonita
que a camélia
que morreu!
_________________________________


Outra cantiga do folclore cantada por minha avó.

O CRAVO BRIGOU COM A ROSA


O cravo brigou com a rosa
Debaixo de uma sacada
O cravo saiu ferido
E a rosa despedaçada



O cravo ficou doente
A rosa foi visitar
O cravo teve um desmaio
A rosa pôs-se a chorar





0 comentários:

 
;